20.7.09

A inveja do Tic e Tac


eu invejo. eu invejo a realidade alheia, e o sonho meu! Sinto pena de mim, mera mortal, sem poder fazer muito, que apenas cresceu. Invejo corpos perfeitos, fotos novas, pirulitos grandes e sorrisos falsos. Corrói a dor que me intriga quando tento descobrir o porque de tanto esquizito amor.
Como se a minha vida fosse do "tic" até o "tac", como se o sonho meu fosse realizado num passe de mágica onde a fada madrinha fosse diferente, sem surpresas e presentes.
A fada madrinha é um raio de sol refletido no teu óculos que esconde as olheiras no domingo de manhaã de um sábado divertido. Meu poço dos desejos é o teu hálito de manhã, é você tirando meu sutiã. Minha lâmpada mágica são as nossas promessas de amor eterno, nossas juras, nosso sonho: eu de branco e você de terno.
Então o dia amanhece e em mim escurece. Eu lembro da maça envenenada, aquela personificação do meu ciumes, do meu grude, da minha voz, do meu cheiro, do meu tom, do meu jeito de mulher apaxonada. Eu penso - confesso que rezo para que não - mas penso que os 40 ladrões irão ganhar do Ali Babá, penso que tudo vai por agua abaixo mesmo demorando tanto tempo para eu te encontrar.
E num descuido eu lembro que não te encontrei. E num despertar eu vejo que não te achei. E num piscar de pálpepras eu vejo que não dexei nada de bom para trás, só porque você não estava lá.
Tic e Tac. Minha vida já acabou. Vou embora, pois ainda não sei quem sou.

3 comentários:

Melanie Brown disse...

Menina menina, nao sei nem o que escrever,
Mas nao posso deixar de falar, mesmo que eu nao diga nada!!!
Tu escreves de forma magnifica, aproveite o talento!!
bjOooO'

J.R disse...

A propósito...q horas são???

Sunflower disse...

Isso me lembra muito algo que escrevi há um tempo atrás.

Aqui, achei:

http://sunflowerrecords.blogspot.com/2008/06/cobia.html

Vai ver que a gente também só muda de endereço.