22.1.09

O Sol


Ela sabia que o sol voltaria a brilhar na pequena cidade. Ela sabia que a chuva ia embora, as nuvens negras iriam pra longe, e os raios de sol atravessariam a janela do seu quarto, e bateria no seu roto, como se a natureza estivesse acordando-a para começar um novo episódio, uma nova batalha, uma nova jornada, uma nova expedição.
Ela sabia também, quer dizer, ela tinha a consciência de que agora carregava uma bagagem maior, um livro escrito todas as suas caminhadas até ali, ela sabia e lembrava de tudo que passara, e tinha a certeza de que com os mapas que agora tinha em sua mochila, poderia seguir pro lugar certo, poderia trilhar o caminho adequado para o seu estilo de viagem, ela sabia que o destino da sua jornada estava uma pouco longe, ou apenas perto ele num estava. Ainda teria que atravessar rios, enfrentar leões, ouvir pássaros assustadores, correr dos morcegos, e mesmo assim não se perder. Diante de todos os obstáculos, ela não poderia se perder. Não poderia chegar atrasada pro seu futuro, seu futuro a esperava. Ansiosamente. Esperava com o café posto, com a água na jarra, com os pratos fartos, e com um sorriso traiçoeiro, de quem quer que você pense algo maravilhoso, aqueles sorrisos de vendedores de bugiganga. Será que esse era o seu futuro? Será que ela num estaria correndo pro futuro de outra pessoa? E se ela descobrisse, quase chegando, que aquele não era o seu futuro? Pra onde ela iria se isso acontecesse? Qual caminho ela ia trilhar depois?
Pensou em tudo isso, e simplesmente levantou e fechou a cortina pra tampar o Sol no seu rosto. Voltou a dormir. A sonhar talvez. Ela só num lembrava que tem dias que se sonha, e outros que se têm pesadelos. E dos fortes.

3 comentários:

frutos podres de uma imaginação febril disse...

"o sol"...e termina em pesadelos, e dos fortes...meu deus como é possível?...ora sonha, ora tem pesadelos...pensar em tudo isso...me lembrou drummond e o seu batido e sempre vivo "E agora José?"...não sei pq, mas me lembrou...talvez a forma de pulsar do seu texto (saiba que ele está vivo, viu?...)....

acho que vc escreve com força, mas não uma força estupidamente bruta...uma força capaz de encantar aos olhos por sua fragilidade...

*pode contar um admirador aqui...

Mariá Ortolan disse...

adoooooooooorei isso! alguem com olhar critico em cima dos meus textos. Eba, vamso progredir o/ duiahsdi

admiradora tbm viu :D

Ana Paula disse...

Lindo texto moça.
Eu sempre digo q o futuro nos espera amanhecer, e assim meio do nada...Ela se parece muito comigo e eu tmb tenho sonhos e pesadelos, e dos fortes!