2.2.09

Finais Imaginados


- Quando eu te encontrei, quando tudo isso aconteceu, eu nunca quis te magoar...

- Tudo bem, eu não quis acreditar, eu não quis entender, eu não quis saber na verdade, no que os meus olhos enxergaram em você depois de tudo isso... eu queria ainda ver o que meu coração sentiu, é, materializar totalmente aquele sentimento dentro de mim, e torná-lo visível pra você poder entender.

- Talvez, eu pudesse ter lhe dito que eu não era o cara certo pra você. Mas eu acho que era o certo, eu brincava, você ria, eu te amava, você correspondia!

- Já é tarde, vai embora. Eu me lembro de você, lembro de você na época que eu gostava de quem era você, dos momentos que vou esquecer, e de tudo que um dia vai chegar ao fim.

- às vezes eu penso que eu não vo sair dessa casa sem desistir de ter você aqui.

O silêncio se alastra pela sala. como se ela estivésse pensando no que dizer sobre o fato dele estar pedindo pra ficar, pedindo pra amá-la, pedindo uma outra chance.

-Mas eu não pedi pra te conhecer...

-Um sentimento verdadeiro- ele tirou o tênis. -Que eu não consigo evitar- ele foi se aproximando do sofá onde eu estava aos prantos. - Olhe nos meus olhos - sentou e pegou na minha mão. Minha mão suava frio, e a dele estava quente, bem quente. - Que você vai acreditar. - eu já não ouvia quase nenhuma palavra, as imagens estavam meia escuras...- Você pra mim é tudo. - senti um calafrio. - E eu não preciso nem dizer.

Aí ele me beijou.

3 comentários:

Cleber Vaz disse...

E dai você acordou?

Certo?

rs (brincadeirinha)

Virei Heavy Metal já?

Luciana Arruda disse...

vi o link no seu blog e não resisti. não pare, menina. tem muita coisa linda aí dentro.
beijo com garoa

Mariá Ortolan disse...

brigada Lu. você por aki é um grande incentivo viu :D
adooro você =]

volte sempre (:

beijos;*