13.4.09

Trabalho de filosofia



Geralmente Paula encarava as coisas de uma maneira diferente. Mesmo pensando em várias hipóteses para explicar sobre suas mudanças de comportamento, pensamento e atitudes, ela sabia que formular hipóteses teria que leva-la à algum momento do jogo a questioná-las, se são hipóteses verdadeiras ou falsas, ou pior, corretas ou erradas. Essa era a maior incógnita na vida de Paula.
Sozinha, por mais intimo que isso pudesse parecer, ela não conseguiria retirar as pedras no meio do caminho (maldito Drummond).
A quem pedir ajuda foi tão mais doloroso na escolha do que a propria resolução do problema, afinal, alguém teria que julgar Paula pra ela enfim saber se suas hipóteses sobre sua vida estão certas ou erradas.
Ninguém melhor para ser um juiz de uma sentença tão grandiosa assim do que sua mãe? Será que as diferenças de geração irão ajudar ( com anos a mais de experiência) ou irão atrapalhar (com inadequações do mundo atual)? Outro dilema.
Após o acumulo de hipóteses sucumbirem as bases de Paula, ela decidi então pedir ajuda à Melissa, uma mulher, mais velha que Paula e mais nova que sua mãe. Melissa então ouviu, ouviu e ouviu Paula dizer o que lhe afligia.
Paula esperava persuasão, esperava algo do tipo: “menina, como foi capaz disso tudo?”ou “menina, como pode pensar assim?” e algumas chantagens emocionais.Entretanto, Paula apenas ouviu o seu alivio, sua solução:
- Vá Paula, voe sim, não fique presa a escolha da corda que te segura certa. Vá atrás do que te sustenta, caso você cai. Porque a essência (sim, por que não acreditar na essência? ) está na intensidade do seu vôo, e você só voa livre quando sabe que algo esta para de segurar, e não quando achas que a corda é extremamente segura.

3 comentários:

Paulo Vitor Cruz disse...

"por que não acreditar na essência?"

porque as coisas só tem mesmo importância sob um ponto de vista...sobre outro, não significa nada...não há um ponto fundamental, elementar em lugar nenhum...a gente é que fantasia tudo (n q isso seja algo ruim...)...

*aha, isso daria uma boa discussão...

abs.

hosana disse...

"Sozinha, por mais intimo que isso pudesse parecer, ela não conseguiria retirar as pedras no meio do caminho (maldito Drummond)."


Maldito Drummond!
:P:P:P


lindo texto!
.

Mariá Ortolan disse...

Obrigadaaa Hosana ;]
to indo da uma passada no teu blog :D

Pv!
essa historia de essencia surgiu em uma de nosssas conversas, lembra? dpsokadopkds

beijos, saudade Pv *-*