17.1.11

A gente erra, mas ninguém fica tão surpreso como a gente sobre o estrago que nossos erros podem causar. Reparo que a gente sempre sofre com os nossos erros, como os erros dos outros, com as nossas tentativas de acerto, e com as tentativas de acerto dos outros. Sempre sofremos.
Acostumar-mos com a dor não pode ser considerado conformismo, muito menos estagnação. Acostumar-mos com esse vilão, com essa pedra no nosso sapato é aceitar que talvez sempre tenhamos um obstáculo mais interno do que externo, e obstáculos internos só nós que podemos enxergá-lo, e às vezes nem isso conseguimos, quem dirá vence-los.
Eu tenho sonhos, tenho medos, tenho tudo que se possa ter dentro de alguém, isso só me faz ser mais uma, entretanto tudo que você tem, eu tenho mais atrás de uma lupa, uma lente de aumento.
Se eu amo, eu amo de um jeito que sufoca o sujeito. Se eu odeio -  que é coisa muito rara – eu fico rogando praga 25 horas por dia na pessoa. Sempre falei que comigo era 8 ou 80.

3 comentários:

Melanie Brown disse...

Fique bem!

Naia Mello disse...

Normal. Comigo também é assim. Mas, a gente pode moldar a gente! Meditação ajuda muito. Comigo tem dado certo!

Mariana Rodrigues Costa disse...

É difícil ser assim. Eu sou assim também. Mas sempre é possível se ter esperança.
força sempre, Mary!
Se quiser desabafar, to aki!
BjoOm.