16.9.09

Só queria que o ser fosse é.


Eu quero o bruto. O ininterrupto, quem sabe o arrogante. Desafie-me. Faça-me perguntas que eu demore em responder, que me faça pensar, ao mesmo tempo, na resposta e no porque que esta me perguntando isso. Sinta-me, ou melhor, faça com que eu pense que você se importa, que você ainda esta me ouvindo enquanto, na verdade, esta fazendo planos para a sexta à noite. Decepcione-me. Joga em mim a idéia de que o dia é favorável para cuidar do meu bem-estar emocional, sobretudo através de atividades que estimulem minha auto-estima, mas faça isso tudo, me dê todo o incentivo que preciso para sentir vontade de mudar, com um sorriso do estilo: “você não vai conseguir nunca, baby”. Fale que preciso ocupar minha mente com assuntos interessantes e que desviem minha atenção dos problemas, mas faça isso tudo, me dê todo o crédito que preciso para sentir que realmente preciso sair do lugar, com uma cara do naipe: “esta esperando o que pra tentar ser alguém feliz?!”. Fale-me que o infeliz é você, mas indiretamente.
Use palavras difíceis que me desperte a vontade de passar o dia lendo um dicionário- meu primeiro livro sem desenho.
Flutue na minha mente, me veja tomando banho e diga que o sabonete caiu. Olhe nos meus olhos, mas não na reflexão e sinto na alma. Cale a boca quando eu gritar, mesmo se eu estiver muda e sem saber falar o que você gostaria de ouvir. Deixe-me sem ação. Bata a porta e apague a luz. Deixe o chuveiro ligado e fala pra eu ir tomar banho porque eu preciso. Faça-me chorar, derramar litros e litros e litros de lagrimas salgadas para encher teu aquário de peixes d’água doce. Manda-meeu ir pentear macacos, ou procurar chifres na cabeça de cavalo. Fale que eu sou fútil e biscate. Isso me irrita. Chama-me prum canto e me conte uma piada super sem graça e me faça cosquinhas só para eu rir, afinal, você precisa do meu sorriso mas não sabe como dizer isso. Deixe-me esperar por horas e horas e horas e não de sinal de vida, ou melhor, mande me avisarem que você não virá me faça a creditar convictamente que você ate não existiu, que passou de um fruto na minha imaginação. E num dia, de muito sol e frio, um dia como qualquer outro, ou em fevereiro ou no começo de ano, apareça dizendo que só acordou agora e que esta a fim de tomar um café. Chame-me pra sair e diga que eu estou chique demais. Deixa a minha cara no chão. Chama-me de gorda e me beije. Procure asas nas minhas costas e fale, fale mesmo, que me acha uma chata feminista insuportável e que gostaria muito de usar amarelo no meu enterro. Me coma engolido a seco, dando arrepios a cada mordida. Faça me sentir especial, mas tão especial e depois fale que estava brincando ou que tudo o que falou não era pra mim. Ensaie uma peça de teatro comigo, finja que finge que me ama. Paquere homens na minha frente. Fala como ele te da tesão ou como ela tem pernas lindas. Reclame do meu café ou recuse-se a fazer um favor pra mim. Não olhe na minha cara me ate dizer que estava certo.
Faça-me sentir tua falta, ou me faça parar de procurar por vocês quando você brinca de esconde-esconde com tua sombra e sempre perde enquanto eu tenho q ir salvar teu mundo. Não é mais fácil você desistir e vim brincar de casinha comigo? Podemos brincar de cozinheiros também... Mas você insiste em brincar de máfia, de cassino, de show, de músico, de ser inventor ou ser professor. Goste de ensinar, mas despreze quem lhe pede ajuda. Enfim, seja o que eu nunca, mas nunca tive coragem de ser.
Eu quero e preciso muito parar de querer ser eu.

2 comentários:

Paulo Vitor Cruz disse...

ia te teclar q foi o texto seu mais indo q já li...e q era o mais lindo q li nas ultimas semanas...mas aí vc coloca aquela ultima frase lá, q me obriga a discordar de vc amargamente, e ter vontade de ir aí puxar a sua orelha: - como assim deixar de ser vc? pois fique a senhorita sabendo q eu sou terminantemente contra isso...

*saudades suas, sua chica conflituosa, mesmo quando vc dá uma dessas...risas...

bai bai.

Vinícius Canhoto disse...

só há um cara que pode fazer isso por você, um cara que saiba te ler.