6.10.09

esconde esconde ou pega pega?


Todos buscam o amor. Todos querem o amor. Todos estão dispostos a pagar pelo amor. Amor, onde você está?
Andando, desanimada, pela rua, eu percebo no rosto de cada ser que eles querem amor/amar.
O motorista desleixado, quase bate o ônibus porque sua mulher o deixou – ela disse que não tinha nada mais que sustentasse, ou seja, não tinha mais nenhuma idéia vaga do amor. Ele fugiu, e nenhum dos dois (a mulher ou o motorista) estava mesmo a fim de procurar por ele novamente, afinal, já tinha fugido várias e várias vezes. A mulher saiu, o motorista ficou e foi encarar a maldita rotina novamente
Os passageiros estavam tão deprimidos que eu sinceramente em senti feliz perto deles. A grávida esperava, sem muito entusiasmo, o amor daquele filho que viria, teus pés inchados não deixavam ela sentir o prazer de estar prestes a ser mãe, e o amor fica em segundo plano, é vencido pelo inchaço dos pés. Mas ela quer amor. Ela quer o reconhecimento desse filho quando ele vir a crescer. Ela quer o amor do marido que a espera em casa, será que espera. A grávida nada mais é que a mulher que vai dar a luz a uma nova fonte de amor.
O jogador de basquete queria o amor de seus fãs e colegas. Ele queria o amor idolatrado, o sonho de ser totalmente, milimetricamente amado por todos que o vissem. Ele queria o amor em forma de orgulho dos teus pais “que menino lindo nós criamos, não é mesmo amor?”
E no meio de tantos pedidos de amor, eu vejo que eu sou quem mais procura esse fulano que se camufla de todas as variações possíveis. Nem sei se eu já o conheço, ou se me deparei com mais um clone dele, entretanto eu sei que dói não ter nenhuma variação dele por perto, nem uma pista, nem um telefonema de regaste, nem um cheiro que deixou muito menos fotos ou esperança de que ele esta perto. Eu já não o sinto mais.
Mesmo assim eu o quero pra mim, inteiramente pra mim, egoisticamente pra mim. Só meu. Porque nessas horas, não se deve lembrar de nada a não ser a sensação de que o amor lhe proporciona, mesmo que os sentimentos que completam o vazio de quando ele não esta presente possa ser mais forte que o próprio forte amor, nós devemos crer que ele esta por vim, sem isso, sem essas certezas meio incertas de que há algo, alguém, alguma coisa que lhe chame a atenção para lhe despertar a mais bonita variação de amor, que é o amor que vem de dentro pra fora, aquele amor introspectivo que esta doido pra ser solto da jaula, nós morreríamos. É esse que eu procuro incessantemente. Ele esta preso num sei onde, e nem sei quem seria cruel a ponto de deixá-lo fora do alcance de quem o merece – por favor, eu o mereço, né?

2 comentários:

meus instantes e momentos disse...

E vai encontrar....
Tenha um dia feliz.
Maurizio

Paulo Vitor Cruz disse...

vc tem escrito coisas mto belas ultimamente, chica... estou ficando cada vez mais se fã...risas...(assim como tbm estou sentindo cada vez mais saudades de teclar com vc...qdo vc entra na net?)

*ah, voltei com o meu blog...dá uma passadinha por lá p dar uma força se der...

abs mto apertado de um amigo net q te ama mto (serve esse tipo de amor?)...risas...

ps: n esquenta qto a isso n... lembra da canção? : "temos nosso próprio tempo..." ...uma hora as coisas acontecem...(eu vi aqui na minha bola de cristal...)